Username Password
 
Lembrar dados?
Entrar
Registe-se
Recuperar Password
Publicidade
Membros Online
+ 0 utilizadores ( visitantes e membros)
Publicidade

Outra Legislação

O Programa SOLARH - Financiamento Bancário para obras.
27-2-2009 16:22
Este programa destina-se a todos os proprietários que não tenham a possibilidade de recorrer a outros métodos de financiamento para a realização de obras de conservação.

Através do Instituto Nacional da Habitação:
Av. Columbano Bordalo Pinheiro, nº.5
4º Andar
Lisboa
(Telf. 217 665 552),

o Estado empresta sem juros, um montante de máximo de 2000 contos (em 1999), por um prazo que pode ir até 30 anos. No caso dos condomínios, o valor do financiamento deve ser utilizado, prioritáriamente, nas partes comuns (de acordo com a permilagem do condómino a quem é atribuído o apoio). O enventual excedente pode ser utilizado na beneficiação da fracção autónoma.

  • Podem aceder ao SOLARH os agregados que tenham rendimentos mensais inferiores à soma dos seguintes montantes:
    - 2 vezes o valor da pensão social por cada indivíduo maior, até um máximo de dois;
    - 140% do valor da pensão social por cada indivíduo maior, a partir do terceiro;
    - o valor da pensão social por cada indivíduo menor.

    Presume-se que os maiores de idade que não declarem rendimentos, mas não apresentem provas de que são estudantes, incapacitados para o trabalho ou reformados por invalidez ou velhice, auferem o salário mínimo nacional.

  • Além dos requisitos relativos aos rendimentos, a lei coloca as seguintes condições aos agregados familiares:

    - devem ser proprietários exclusivos da habitação há pelo menos 5 anos, a não ser que esta tenha sido herdada por um ou mais dos seus elementos e desde que este(s) residisse(m) com o anterior proprietário na altura do falecimento;
    - nenhum dos membros do agregado pode ser proprietário de outro prédio ou fracção que se destine a habitação, nem ter rendimentos provenientes de imóveis;
    - o agregado não pode ser titular de outros empréstimos para obras na habitação a financiar.

  • Os interessados devem apresentar um requerimento na câmara municipal da sua área de residência, mencionando a composição e os rendimentos do agregado familiar e juntando-lhe:
    - a última nota de liquidação do IRS (e a respectiva declaração);
    - um documento que prove a propriedade da habitação;
    - a planta de localização e a identificação da habitação;
    - o orçamento das obras a efectuar;
    - um documento que prove a permilagem da fracção (por exemplo, o título constitutivo ou a certidão do registo predial);
    - uma declaração, sob compromisso de honra, de que as declarações prestadas são verdadeiras;

  • As obras devem ter início no prazo máximo de 6 meses a contar da data do empréstimo e terminar 12 meses após a mesma data, salvo circunstâncias extraordinárias. Regra geral, as habitações que beneficiem deste apoio não podem ser vendidas ou permutadas durante 5 anos, a contar da data do empréstimo.
  • Leituras: 9873  
    Não existe nenhuma sondagem em curso...
    Partilhe connosco alguma situação engraçada, curiosa ou estranha que tenha ocorrido no condomínio.

    Porque nem tudo tem que ser aborrecido ou questões legais!
    O que fazer com a casa do porteiro quando ele não existe?
    Que administrador eleger?
    Impacto do Alojamento Local nos condomínios
    Alterações na fatura da água
    Alteração ao prazo das inspeções às instalações de gás
    Instalação de videovigilância já não carece de autorização
    Quóruns, para que vos quero?
    Conhece o programa para necessidades de alojamento urgente?
    Sistemas de deteção de monóxido de carbono. Para sua máxima segurança.
    Inspeções ao gás obrigatórias
    Administrador à força? É melhor não…
    Até que valor podem os condóminos ser multados?
    Vai fazer obras? Informe o administrador!
    Mais transparência na liberalização do mercado da eletricidade e do gás
    O perigo de não cobrar quotas
    Pesquisar