Username Password
 
Lembrar dados?
Entrar
Registe-se
Recuperar Password
Publicidade
Membros Online
+ 0 utilizadores ( visitantes e membros)
Publicidade

Notícias

Qual é, afinal, o valor da minha casa?
quarta-feira, 18 de Outubro de 2017 | 11:15   lida: 2630 vezes

Notícia
Muito se tem falado sobre a retoma do mercado imobiliário. O crédito à habitação começa a ser novamente uma realidade, pelo que a intenção de mudar de casa volta a ganhar forma para muitos portugueses.

Existem diversos motivos que nos levam a querer mudar de casa - a vontade de sair de casa dos pais, a necessidade de ter uma casa maior para a família que entretanto aumentou, o desejar morar num local mais agradável ou mais perto do local de trabalho. Todos estes são bons argumentos. Mas a verdade é que, independentemente do motivo, mudamos de casa porque queremos ser mais felizes.

Tomada a decisão, começamos a debater-nos com a questão económica. A nossa casa não vale tanto quanto gostaríamos e a que queremos comprar tem um preço mais elevado do que o pretendido.

Este é um fenómeno normal pois temos sempre a expectativa de efetuar um bom negócio tanto a vender como a comprar. No entanto, a lei da oferta e da procura encarrega-se de nivelar os valores e a internet coloca todas as ofertas à disposição – pelo que é muito fácil começarmos a caminhar para valores cada vez mais uniformes para uma dada tipologia de casa e zona.

Existem, no entanto, fatores que fazem com que os valores oscilem positiva ou negativamente, o que implica correções ao preço entre casas idênticas (tanto em prédios distintos como no mesmo prédio). Passamos, assim, a ter a relevância do estado de conservação, da manutenção e da consequente agradabilidade do espaço. No entanto, enquanto a manutenção e conservação da casa nos permitem poupar algum dinheiro na compra e optar por fazer obras de acordo com o gosto pessoal, o cenário muda no caso do condomínio. Isto porque sabemos que, aí, fazer obras é um processo de decisão mais complexo e que muitas vezes esbarra na condição financeira dos restantes condóminos, sendo provável que o processo se arraste no tempo.

O condomínio constitui, assim, um fator decisivo na valorização ou desvalorização das casas. Sendo um ativo que é de todos os condóminos e que deve ser tratado como tal, os cuidados e a atenção para que seja sempre uma mais-valia e não uma menos valia patrimonial devem ser assegurados por todos os envolvidos.

A estratégia deverá ser sempre a da manutenção e preservação do condomínio de forma continuada, evitando “deixar degradar para depois recuperar” – o que implica custos mais elevados e condiciona a qualidade de vida de quem lá habita.

Como se percebe, o condomínio é uma extensão da nossa casa, pelo que deve ser cuidado e mantido do mesmo modo como gerimos o espaço a que chamamos ‘lar’.

Notícia inserida por: Administrador
Comentar Notícia
Acesso Reservado a Membros
Insira os seus dados de acesso a membros para poder efectuar um comentário.

Caso não seja um utilizador registado!
Ao realizar o registo pode aceder a todas as áreas restrictas do site.
O registo é GRATUITO.
Comentários Comentários a esta notícia ( 0 )
Share/Bookmark
Não existe nenhuma sondagem em curso...
Partilhe connosco alguma situação engraçada, curiosa ou estranha que tenha ocorrido no condomínio.

Porque nem tudo tem que ser aborrecido ou questões legais!
O que fazer com a casa do porteiro quando ele não existe?
Que administrador eleger?
Impacto do Alojamento Local nos condomínios
Alterações na fatura da água
Alteração ao prazo das inspeções às instalações de gás
Instalação de videovigilância já não carece de autorização
Quóruns, para que vos quero?
Conhece o programa para necessidades de alojamento urgente?
Sistemas de deteção de monóxido de carbono. Para sua máxima segurança.
Inspeções ao gás obrigatórias
Administrador à força? É melhor não…
Até que valor podem os condóminos ser multados?
Vai fazer obras? Informe o administrador!
Mais transparência na liberalização do mercado da eletricidade e do gás
O perigo de não cobrar quotas
Pesquisar